top of page
  • Foto do escritorCintia Almeida

É só bunda, peito, sexo e tchau

Desculpa o franco português do título, mas é o que tenho visto essencialmente na tv, nas letras das músicas, nas conversas no metrô e nos relacionamentos.


Tudo sob o pretexto de uma liberdade, a meu ver, completamente questionável. Tudo muito fútil. Somente importa o aqui e o agora. O imediato. O máximo prazer, independentemente das consequências. Aliás, quem se importa com as consequências? Tem prefeitura dando pílula do dia seguinte durante o carnaval. Para mim, a mensagem é “Não se preocupe! Transe com quantos quiser! E se vc engravidar, a gente resolve fácil esse “inconveniente” pra você!”


Pára tudo. Eu quero descer desse mundo maluco.


E aí, vai ter gente repetindo como papagaio frases prontas do tipo “o corpo é meu”, “eu quero é me divertir”, “não ligo para o que pensam esses moralistas”. Blá, blá, blá...


Mas depois que tudo acontece, que o efeito da droga passa, que o sexo acaba, que o maquiagem vai embora com a água, é você e você. Você e a história que está construindo (ou destruindo). Você e sua verdade. Você e seu travesseiro. Ou terapeuta.


E nem vem com esse discurso de que “sou bem resolvida”, que essa é a vida que você sonhou. Duvido.

Duvido que você olhe para o espelho e diga: sim, eu só quero que o cara com que saio lembre de mim pela bunda e peitos que tenho. Pelo prazer que dou para ele. Duvido.


Ainda que você diga que é isso mesmo, tenho uma novidade pra te contar: a gravidade puxa tudo pra baixo. E plástica não resolve as rugas do pescoço, das mãos, menos ainda da alma.


Lembro de uma amiga que um dia me disse espantada, quando falávamos de castidade: “é sério que os meninos do seu convívio não se aproximam de uma menina com intuito de levá-la pra cama? Porque eu sempre acho isso, quando um cara quer ser meu amigo..” Sentimento de objeto.


Acorda mulherada! Se você quer ser valorizada por aquilo que é a sua essência, pelo que você é além daquilo que os olhos podem ver, invista em SER. O tempo passa rápido. E talvez, quando se der conta, veja quanto tempo investido em coisas que trouxeram uma falsa felicidade. De momento. Que nunca será pra vida inteira.



15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Hozzászólások


bottom of page