• Cintia Almeida

Só será feliz dia dos namorados, se Deus for o centro.

Penso que é impossível e bastante turbulento um relacionamento onde Deus não é o centro. Nem sempre pensei assim mas, hoje, diante da minha busca na fé, dos relacionamentos que já vivi e olhando ao redor, passou a ser uma convicção.

Considerando que um relacionamento é composto, na maioria das vezes, de duas pessoas bem diferentes, vindas de famílias com valores e costumes diferentes, com pensamentos diferentes a respeito de muitos assuntos, os desentendimentos são inevitáveis.


E, diante dessa tendência individualista que vivemos, é muito mais fácil e cômodo fazer nossas escolhas sem considerar o outro. Ou pior, ser acometido da “síndrome de Gabriela” (quem é da minha época, já entendeu; as que não, explico): eu nasci assim, cresci assim e vou ser sempre assim. 

E aí nos deparamos com os relacionamentos quase que descartáveis: ao primeiro sinal de diferença, fim. Ou os relacionamentos doentios, onde somente um cede à dominação do outro com medo do relacionamento chegar ao fim. Ou ainda, os relacionamentos em que não há trégua: é discussão sobre discussão.


Somente num relacionamento cujo centro é o Senhor, cada um vai buscar ser melhor para Deus. E, sendo melhor para Deus, consequentemente, será melhor para o outro. Num momento de diferença, pedir auxílio do alto sobre as emoções para conseguir chegar à concordância em favor do bem comum. 


Conseguir olhar para si e reconhecer que errou, pedir perdão, buscar ser melhor, são atitudes que requerem maturidade humana e humildade. Nisso, Jesus é mestre. É nos aproximando da pessoa de Jesus que nossas debilidades ficam mais visíveis e podemos enxergar mais claramente onde precisamos deixar Ele entrar.


Um casal precisa orar junto. Interceder um pelo outro. Ser livre o suficiente para mostrar, um ao outro, o que são na essência. Ainda que essa essência tenha mais características a melhorar que qualidades. Um caminho de santificação, compreensão mútua e vontade de fazer dar certo.


Você vai ser feliz a medida em que se esforçar em fazer seu namorado feliz. Sem esperar retribuições, numa atitude de amor gratuito. 


Só assim, mais que um feliz dia dos namorados, vocês viverão um feliz namoro, um feliz noivado e, com a graça de Deus, um matrimônio feliz!





44 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo